Há decididamente algo de muito urgente a resolver nesse país. Essa bandeira não precisa sequer de bandeira. Que se lixem (NOT) o SUS, o Bolsa Família, os médicos cubanos, a PEC das domésticas, o combate à corrupção, a cura gay, os 20 centavos… Tudo o mais mirra de importância (e, alcançado, ficará sempre liminarmente incompleto) quando assistimos ao perpetuar da violência policial do Estado sobre os cidadãos. Estejam eles na Avenida Paulista ou no Presídio de Joinville. E não há royalties do petróleo que resolvam isso não. Tem de ser mesmo com algo mais valioso. Sugestões?


Alguns links sobre o absurdo ocorrido em janeiro passado:
http://anoticia.clicrbs.com.br/sc/seguranca/noticia/2013/02/video-tortura-e-registrada-por-cameras-de-seguranca-no-presidio-de-joinville-4032160.html
http://www.conjur.com.br/2013-fev-05/policia-civil-investigara-tortura-presidio-regional-joinville
http://anoticia.clicrbs.com.br/sc/seguranca/noticia/2013/07/mp-denuncia-18-agentes-penitenciarios-por-tortura-em-joinville-4198509.html
http://ndonline.com.br/joinville/noticias/86456-agentes-prisionais-do-deap-sao-denunciados-pelo-mpsc.html

§278 · July 30, 2013 · Uncategorized · (No comments) · Tags: , , ,




… é no Facca!


IMG_20130726_153436

§264 · July 26, 2013 · Uncategorized · (No comments) · Tags: ,


P1130494

§259 · July 25, 2013 · Uncategorized · (No comments) · Tags: , , ,


DSC_2768




§245 · July 21, 2013 · Uncategorized · (No comments) · Tags: , , ,


Há cinco meses atrás, a caminho de uma nova vida, de uma nova realidade, no avião, deixando para trás amigos e familiares, li na The Economist um artigo sobre um estudo acadêmico sobre escaravelhos. Sobre como os escaravelhos, para sobreviverem, precisam empurrar aquela bolinha de estrume variado para suas casas. E de como para terem êxito nessa tarefa precisam (1) de evitar os seus predadores e (2) de fazer o trajeto o mais recto possível, sem grandes desvios, sem grandes voltas desnecessárias. E de como, no final das contas, os escaravelhos optam pela noite para efetuar tal trajeto. Mas como se orientam os escaravelhos pela noite dentro?, perguntavam-se os cientistas sul-africanos (no caso). Pois parece que se orientam pela Via Láctea. Tal como se se tratasse (e trata) de um GPS. A 10 mil metros de altitude, a 900 e tal km por hora, fiquei sabendo que os escaravelhos se orientam pela Via Láctea para se safarem na vida. Que mais poderia eu fazer? As dores dos humanos podem bem ser consideradas ridículas quando comparadas com o engenho da vida. Nos cinco meses seguintes utilizei a Via Láctea para comunicar com meus amigos distantes. Sempre que uma “saudade” (aspas, porque desconfio do termo…) assomava, o céu estrelado me consolou. Sempre, sem descanso, eficaz, reconhecendo o escaravelho que há em mim.

Há uns dias atrás, a caminho de retomar a minha nova vida, a minha nova realidade, deixando para trás amigos e familiares, li na The Economist um artigo sobre um estudo acadêmico sobre pássaros. Sobre como alguns pássaros, “pombos” (aspas, porque desconfio do bicho…), andorinhas, esmerilhões, piscos, têm a capacidade de mudar de continente, passar do verão inglês para o inverno indiano, ou mesmo viver em perpétua luminosidade ao migrarem de pólo para pólo. De como tudo isso apenas é possível, porque os pássaros possuem uma bússola interna. A 10 mil metros de altitude, a 900 e tal km por hora, fiquei sabendo que os pássaros se orientam pelo Campo Magnético da Terra para se safarem na vida. Uns acham que eles o vêem, outros acham que eles o cheiram, outros ainda que eles o ouvem. Outros acrescentam a isto tudo essa fascinante dimensão que dá pelo nome de quântica… Seja qual for, seja como for, seja porque a trigeminal que lhes liga o bico ao cérebro lhes dá a capacidade de lidar com a latitude, seja porque existe um cluster N algures no cérebro, ou uma proteína retinal chamada cryptochrome, seja lá o que for, uma coisa é certa, as dores dos humanos podem bem ser consideradas ridículas quando comparadas com o engenho da vida. Nos tempos que se seguirão acrescentarei à observação da Via Láctea a perceção do Campo Magnético da Terra. Como o vou fazer, nem sei bem, nem interessa. Fazê-lo é coisa de escaravelhos e pássaros. Pensá-lo é coisa de humanos.



Gosto disto. É verdade que já tem uns anos em cima, mas ainda assim.

§228 · July 8, 2013 · Uncategorized · (No comments) · Tags:




§224 · July 2, 2013 · Uncategorized · (No comments) · Tags: , , ,






§215 · July 1, 2013 · Uncategorized · (No comments) · Tags: , ,